quarta-feira, 30 de março de 2011

A grande pergunta a Sua Excelência Governador de Sofala

Que venha a resposta dos chefes da Companhia de Sena


“Senhor governador, eu saio da minha casa de madrugada e volto também de madrugada. Não tenho tempo para nada. Que horas, Excelência, nós, os trabalhadores da Companhia de Sena, vamos fazer filhos? Pedimos a sua ajuda para que os brasileiros nos atribuam pelo menos um tractor para assegurar que cheguemos cedo ao trabalho, porque quando demoramos um pouco descontam-nos imediatamente no salário. Pedimos ajuda do senhor governador, porque os problemas com os brasileiros são vários, não há promoção nas carreiras” - disse um dos intervenientes que não se identificou (in jornal Noticias do dia 29 de Marco de 2011.


Ha quem possa achar isto de uma pergunta maluca ou uma simples parvice, mas na nossa opiniao, esta e' uma pergunta legitima com forte teor futurista e provavelmente vital, nao so para os trabalhadores mas sim para a propria Companhia de Sena. Esses trabalhadores, para alem de produzirem a cana e fabricarem o acucar, precisam, tambem, de produzir Recursos Humanos que serao o garante da continuidade existencial da companhia de Sena. Se nao nascem, quem vai trabalhar a terra? quem vai operar as maquinas, cortar-vos o capim...quem vai vos servir? Por favor, resolvam os problems da massa laboral, dialoguem com eles e reformem o sindicato.


Por Baptista Joao

A grande pergunta

“Senhor governador, eu saio da minha casa de madrugada e volto também de madrugada. Não tenho tempo para nada. Que horas, Excelência, nós, os trabalhadores da Companhia do Sena, vamos fazer filhos. Pedimos a sua ajuda para que os brasileiros nos atribuam pelo menos um tractor para assegurar que cheguemos cedo ao trabalho, porque quando demoramos um pouco descontam-nos imediatamente no salário. Pedimos ajuda do senhor governador, porque os problemas com os brasileiros são vários, não há promoção nas carreiras” - disse um dos intervenientes que não se identificou

Mau relacionamento na Companhia do Sena

PARTE dos trabalhadores da Companhia do Sena, em Marromeu, província de Sofala, revelou que há mau relacionamento entre eles e o patronato e acusa o sindicato local de estar a defender os interesses dos estrangeiros, sobretudo os gestores de origem brasileira que são apontados como os que mais influenciam na não promoção de carreiras profissionais para os nacionais, além de não terem direito a transporte, mesmo que se saiba que trabalham distante das suas residências. Fonte: Maputo, Terça-Feira, 29 de Março de 2011:: Notícias

Mais detalhes podem ser vistos no Jornal noticias do dia 29 de marco 2011


Adenda: Em forma de desabafo, um dos leitores e trabalhador da Companhia de sena me escreveu o seguinte:

Eu sou um deles lesado. o que vou pensar? procurar uma companhia que paga melhor... aqui ja nao esta a dar para a joventude, a companhia viu a perder todos jovens profissionais que preferiram e preferem trabalhar nas minas de Tete... hoje chamam o zimbabweano para vir montar rolamento no pneu de carro, soldar chapa... meu irmao e' bom na soldadura e seralheria, formado pela INEFP hoje onde esta? primeiro em Marromeu agora tambem em Tete. o brasileiro tras sua politica de marcador biometrico, onde os descontos partem dos milsegundos de atraso no relo'gio e nao dao transporte. e' verdade que as pessoas percorem dezenas de kilometros para trabalho a pe'. antes davam sumo, soja, agua e mais para cortadores e hoje??? R. nada. se as pessoas trabalham nessas condicoes e' para conseguir comprar sal e mais... as pessoas que mais contribuem para o melhoramento das receitas da empresa sao mal pagos, desgracados e mais.... olhem para rostos dos trabalhadores ninguem tem cara de felicidade dezenas de casas desabitadas a ruinarem mas ninguem tem direito de ocupa-las e eles ficam com casa de primeiro andar toda sozinho... Mas porque esse povo tem que merecer tudo isso? 10 anos passm que escola a empresa construiu para a sociedade? para saberem os cortadores so' limpam no inicio da linha de cana deixa todo campim no meio isso tudo pelo descontentamento...


O portal de Sena, ao trazer estas informacoes ao publico, acredita que esta informacao chegue aos dirigentes da Companhia de Sena. E' nosso papel contribuir para o desenvolvimento do distrito e falar pelos que nao tem voz, na esperanca de que os dirigentes da Companhia de Sena analizem os protextos e ajudem a esses povo que tanto espera de vos.


Baptista Joao

terça-feira, 29 de março de 2011

Batelão Chimuara vai operar em Macaneta

A ligação fluvial para a Macaneta, em Marracuene, a pouco mais de 30 quilómetros da cidade do Maputo, passará a ser feita pelo batelão Chimuara que garantia a travessia do rio Zambeze, entre as regiões de Caia e Chimuara.


A transferência desta unidade visa pôr fim às dificuldades de movimentação de pessoas e bens resultante das constantes avarias do batelão que liga as duas margens do rio Incomati, em Marracuene. A última paralisação aconteceu na sexta-feira e desde então, a liga para Macaneta é feita por pequenos barcos que apenas transportam pessoas e cargas ligeiras. Estas unidades deixam de operar em casos de mau tempo, tornando impossível a travessia do rio Incomáti.


Fonte: Notícias

sexta-feira, 25 de março de 2011

Marromeu 10 anos depois ficou assim…




A reabilitação não foi por todo lado mas, acreditamos que alguma coisa mudou.
Imagens: Fernando Raposo

terça-feira, 22 de março de 2011

Hoje realizou-se a Missa em sufrágio da alma do Salomão Mutando

Foi realizada hoje 22/03/11, pelas 17:00 a Missa em sufrágio da alma do nosso colega (Companhia de Sena-Depart IT), amigo Salomão que completou 2 anos de desaparecimento físico no dia 18 de Março, vitima de acidente de trabalho.
Pela paz da sua alma. Descanse em paz

sábado, 19 de março de 2011

10 Anos atrás

Passam 10 anos, momento de olharmos um pouco atrás através das imagens que reflectem o abandono e tristezas. Eu voltarei com imagens de 2011 juntos tentarmos perceber a actualidade e qual será o próximo passo.




Imagens do arquivo

quarta-feira, 16 de março de 2011

Igreja Católica de Jesus e Maria-Marromeu

A pedido de um dos nossos leitores Belarde Sérgio


Imagens: Fernando Raposo

sexta-feira, 11 de março de 2011

A capula faz o meu estilo

Utilização do Rio Zambeze para o escoamento de carvão de Benga até Chinde

Governo de Sofala recomenda necessário aprofundar estudos de impacto ambiental
A Riversdale Mining Ltd, uma sociedade australiana, titular de 18 títulos mineiros em Moçambique, com enfoque para o carvão de Benga, na província de Tete, onde planeia iniciar operações no segundo semestre deste ano, com extracção de cerca de 5.3 milhões de toneladas por ano de carvão, apresentou há dias ao Governo Provincial de Sofala o seu projecto de utilização do rio Zambeze para o escoamento do produto através de barcaças.
Na apresentação, foi referido que o estudo de impacto ambiental para o efeito exigido pelo Governo já foi concluído e exclui-se qualquer possibilidade de ocorrência de efeitos negativos ao ambiente.
Os gestores da Riversdale Mining Ltd revelaram no referido encontro que um estudo técnico foi também feito ao mesmo tempo que o ambiental e para tal foi construída uma embarcação automotora em Tete para desenvolver este estudo, bem como adquiridas outras três para os estudos no rio.

A Riversdale vê o transporte de carvão por barcaças até Chinde, onde estariam ancorados barcos de grande calado que depois fariam carregamento para os grandes mercados de consumo, como forma complementar ao transporte por linha férrea. ler mais aqui

Esse blog tem o patrocinio de...

Companhia de Sena

quinta-feira, 10 de março de 2011

Maning nice

Ficou maning nice, a capulana e o lenço de saco. Cliquem na foto para ampliar
Imagen: Monica Santos

A pequenada

No carnival-0௨Imagen: Monica Santos

No carnival

A nossa dança


Imagen: Monica Santos

terça-feira, 8 de março de 2011

Oferta de chapas de zinco e pregos de fixação para a EPC de Nhaminaze-Sena

A Companhia de Sena no âmbito das actividades de responsabilidade social de apoio ao sector da educação ofereceu 200 chapas de zinco de 12 pés e 15 kg de pregos de fixação para a Escola Primária Completa de Nhaminaze (Malingapansi), assim como, 20 litros de óleo usado para a preparação de barrotes com o objectivo de reabilitar o tecto da escola.


Abaixos alguns apoios no âmbito das actividades de responsabilidade social realizados pela empresa nesse 2011


2 de Fevereiro de 2011 a oferta de 118 cadernos de exercícios e 6 cadernos de desenho para as crianças em idade escolar do Orfanato de Luabo.
um contentor de 24.810 kg para armazenamento de produtos alimentares, entre outros e oferta de um carimbo no valor de 1.700,00 MT (mil e setecentos meticais) para a instituição.

No dia 3 de Março de 2011 a Companhia de Sena procedeu a oferta de 160 ampolas de Ampicilina para a administrar aos doentes pós - operados do Hospital Rural de Marromeu.

No passado dia 5 de Março celebrou-se no Distrito de Marromeu os 40 anos da Convenção de Ramsar (Terras Húmidas) e o Dia Africano do Ambiente numa cerimónia realizada na Localidade de Chueza. A Companhia de Sena ofereceu 169 plantas diversas para plantar e apoio monetário na realização do lanche para o Grupo de Teatro Ndiko e um almoço para os convidados.

Adenda: A Companhia de Sena apoiou na realização da 1a Edição do Carnaval do Distrito de Marromeu que se realizou nos dias 25 e 26 de Fevereiro de 2011, oferecendo:
- 10 tambores vazios
- 400 metros de corda grossa
- 2 rádio cassete
- 50 kg de açúcar
E disponibilização de uma bausar com água potável para consumo no local e de uma equipa de guardas para ajudar a Polícia da República Moçambicana na manutenção da ordem e segurança no decorrer do evento. As imagens tiradas no evento serão postadas nesses blogue brevemente.

Ainda no mês de Fevereiro 2011 foi dado apoio a ONG Intermón Oxfam ao nível do transporte para movimentar as lajes do estaleiro para os Bairros onde estão a ser feitas latrinas para os moradores.

Companhia de Sena
Departamento de Recursos Humanos
Mónica Dos Santos
Em nome da população, Portal de Sena agradece a Companhia de Sena pelo apoio

sexta-feira, 4 de março de 2011

Companhia do Buzi, em Moçambique, vai ser reactivada e voltar a produzir açúcar

A Companhia do Buzi, na província de Sofala, voltará a produzir açúcar a partir do primeiro semestre de 2014 após uma paralisação de 15 anos, afirmou terça-feira em Maputo o presidente da empresa, Jorge Petiz.
De acordo com a imprensa moçambicana, Petiz adiantou que o plano de negócios deste projecto, que representará um investimento de 120 milhões de dólares, está a ser realizado pelo português Banco BPI, que vai igualmente negociar e montar a respectiva operação de financiamento, com a estrutura adequada de capitais, até ao final do ano.


O plano prevê a construção de raiz de novas instalações fabris uma vez que a eventual recuperação das actuais iria custar um valor muito semelhante posto o que a empresa disporá de capacidade para produzir anualmente 150 mil toneladas de açúcar tendo por base uma plantação de cana numa área de 15 mil hectares.
Actualmente, decorrem já trabalhos de plantação do canavial, numa área de 300 hectares, havendo um objectivo de expansão para até 400 hectares ao longo de 2011.
A cana que sai do actual espaço de plantação é fornecida à Companhia de Moçambique (Mafambisse), ainda na província de Sofala, sendo que parte desta cana sacarina é direccionada ao fabrico de pequenas quantidades de álcool (biocombustível), reposicionando-se, assim, a Companhia do Búzi como a única que produz este tipo de combustível em Moçambique. aqui

Sofala ganha projecto de bio-etanol e electricidade no valor de 360 milhões de dólares

A Província de Sofala, no Centro do País, acaba de ganhar um projecto de grande dimensão orientado para a produção de bio-etanol e electricidade, no valor de 360 milhões de dólares norte americanos. O projecto será estabelecido na região de Sena, Distrito de Caia, numa área correspondente a 18 mil hectares.
De acordo com o Director Provincial da Indústria e Comércio de Sofala, José Ferreira, falando ontem ao nosso jornal na qualidade de porta-voz da terceira sessão ordinária do Governo Provincial, realizada esta segundafeira, 28 de Fevereiro de 2011, nos 18 mil hectares pretende-se produzir cana-doce e sorgo (mapira). ler mais aqui

terça-feira, 1 de março de 2011

Situações que retardam o desenvolvimento




Os de outra margem não podem comprar por exemplo motorizada porque não tem como atravessar.
Não podem abrir grandes áreas de terra para agricultura porque a máquina para lavrar lá não pode chegar.
De bicicleta, nos dois lados são obrigados a descarregar a bagagem com risco de tombar na ponte aliás não sei quantos tombam por dia.
Em estado de doença não pode atrever-se em atravessar com risco de cair na água sem ter socorro nenhum.
Por ultimo: para atravessar precisa coragem

Imagens: Fernando Raposo