sábado, 30 de abril de 2011

Escadas no tronco do coqueiro

Escadas para retirada dos cocos
Estou sem comentarios.



segunda-feira, 25 de abril de 2011

Não acho mal recordar o passado. Caia-Chimuara

Recordei a placa de preços de Caia e Chimuara.
Relembrei muitas coisas, a dificuldade que algumas Pessoas tiveram e ganhos que as outras obtiveram:



Relembrei dos camionistas, dos pescadores, dos negociantes das barracas…
Relembrei dos almoços e jantares nas barracas entre margens de Caia e Chiamuara enquanto aguardava pela chegada do batelão;
Relembrei do empresário emergente lá do rio que na altura tinha um Toyota, 4 cabeças de bois e uma barraca;

relembrei, relembrei...
Considero a travessia Caia-Chimuara como o berço, onde se criaram
Primeiros passos, local onde sonhos de muitos se converteram em realidade com a construção da Ponte: Armando Gueguza.

Recordar é viver…

terça-feira, 19 de abril de 2011

sábado, 16 de abril de 2011

Muana Sena

Bom,

EU nada tenho contra a 1ª Dama, nem a 2ª, 3ª,...até porque gosto de mulheres, todas as mulheres (Martinho da Vila).

Afora os problemas de legitimidade, e os abusos típicos de um regime totalitário e, portanto, centralista, EXCLUSIVO, tribalista, racista, xenófobo, corrupto,..., já cansei, como o da frelimo,

afora tudo isso (política), o meu ponto de vista é este (sem tirar eventuais méritos à 1ª Dama),

mas que EU estou farto de habilidades, estou mesmo, e já não tenho idade para certas manobras:



Vamos imaginar, grosso modo, quaisquer uns de nós a ir VISITAR um campo de refugiados, da Somália, Etiópia, Sudão do Sul,...e infelizmente não faltam, e discursar/falar:



- Antes de tomar as refeições devemos lavar bem as mãos com sabão, e só depois nos sentarmos à mesa para comer.

- Devemos mastigar bem os alimentos, para o bolo alimentar ser bem salivado, e facilitar a boa digestão.

- Devemos comer sempre, mas sempre legumes frescos, e muita fruta, e beber abundantemente líquidos, especialmente água potável.

-No fim das refeições devemos lavar bem os dentes, com um bom dentífrico, e também as mãos e a cara.

- Bla, bla, bla,...

- E não se esqueçam de tomar banho TODOS os dias, com água morna.

- Ah, e mudar sempre de roupa, após o banho,...

- Bla, bla, bla,...

Estão a ver o ponto.

O discurso é certo, mas…

Mas Moçambique não é um campo de refugiados, dirão muitos, a maioria, certamente.

Até posso concordar!!!, mas também asseguro que largas zonas de Moçambique tem piores condições de vida humana que muitos campos de refugiados.

Conheço bem a zona de Baoaze/Chimbazo, Inhangombe/Maruro, Chinde/Luabo/Mopeia,…Muto, Kangane, Nunes,…de conhecer mesmo, a pé, dormir no chão e comer mandioca, bambéia (batata doce) e maçaroca assada nas brasas.

E m’béuas (ratos de campo), também, com xima de milho.

Ah, e não sou “académico, nem trabalho numa ONG.

Sou Colono, de raça branca, de 2ª classe.

Não como aqueles Muzungos que paravam quando “descobriam” o matope, eh, eh, eh,…

Aí é que está diferença.

Agora, vou mandar este comentário, a pedido do Sr Patha na Mandja | 15/04/2011 at 12:07, para o Sr. Fernando Gil inserir com uma fotografia alusiva ao posto de saúde do Chimbazo (deixado em muito bom estado pelos Colonos), RECENTE, up-grade, e só porque EU desconsigo inserir na caixa de comentários, e que diz tudo o que realmente é preciso.

Melhor que EU, e porventura a 1ª Dama (frelimo)!!!!

E, assim, convido a 1ª Dama (a frelimo) a fazerem o mesmo “certo”, “assertivo”, discurso lá mesmo.

Fico de esperar-lhe, sentado.



Um abraço, mesmo.

umBhalane Muana Sena

http://macua.blogs.com/moambique_para_todos/2011/04/primeira-dama-comovida-com-desnutri%C3%A7%C3%A3o-em-anchilo-2.html#more

47º aniversário de elevação de Marromeu à categoria de Vila

18 de Abril de 2011, próxima segunda-feira marromeu comemora mais um ano de elevação a categoria de vila.

Sai um pouco a rua
Tem no palco municipal 8 sabufas, 4 leitores de musica, 1 amplificador, um jovem mexendo os cabos pelo visto há mais por se instalar. No canto esquerdo tem 4 barracas improvisadas com mesas e cadeiras. Tem gente tomando e comendo o que ai se vende. Também tem homens da rádio Moçambique com seus microfones. Noutra rua tem o restaurante Dominó tem muita gente, quase todas cadeiras estão ocupadas.

Mais força aos organizadores.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Anúncio ICHA ALAÁH

Algures do município Cliquem nas fotos para ampliar
Por: Fernando Raposo

terça-feira, 12 de abril de 2011

EM MARROMEU uma menor perde a vida na Sorveteira montada na praça dos Continuadores.

Desculpe, não consigo aceitar com naturalidade que um negócio de género seja montado numa praça dos continuadores, lugar reservado as crianças, lugar onde as crianças brincam e fazem de tudo por todo lado. Lugar onde as crianças da escola vizinham repousam durante recreio e se lambuzam ao saborearem os seus lanches.

Não consigo aceitar com naturalidade que dentro de uma praça haja uma alfaiataria, uma carpintaria, um pequeno armazém e por ultimo uma sorveteira construída de chapas de zinco e mal recortado. Foi nesta Sorveteira montada na praça dos continuadores onde na semana passada uma menor de 8 anos morreu electrocutada ao entrar em contacto (inocentemente) com um cabo eléctrico que esteva solto na sorveteira.

Não chamo isto de acidente mas sim de negligencia humana pois por “acidente”, entendo algo obviamente acidental… Se é consideravelmente previsível, deixa de ser acidente. Assim como era este caso. Os donos sabiam que o local é frequentado por pessoas (crianças em especial), portanto, tinham a obrigação de isolar os fios eléctricos. Será que alguém teria tido o cuidado de fazer um estudos de impacto ou dos riscos que os pupilos iriam correr naquele lugar e com aquele tipo de construção? Onde está a inspecção?


Aliás parece que no centro da vila não há ordem, cada um faz o que quiser, constrói o que quiser sem normas. Assistimos construções de barracas por todos os lados das ruas, contentores substituindo passeios, lixo engolindo as ruas, em fim autêntica salada russa…

Quero recordar aqui, o Portal de Sena e o grupo Juvenil Marromeu em Movimento tentamos recuperar a praça, fizemos limpezas e reordenamento. Estávamos empenhados em reerguer a praça para servir de cartaz da vila e o nosso interesse era sem fins lucrativos mas fomos passado a pernas pelos homens de dinheiro. Os manda molas de repente vedaram a praça com midikua, modificaram o jardim, iniciaram a construção de barracas e nos fomos obrigados a recuar…veja aqui


Hoje uma vida foi ceifada por causa da ambição de fazer dinheiro em qualquer esquina, inclusive em espaços públicos. Quanto custa um Sorvete comparadamente a uma vida? Haja boa vontade, nós continuadores queremos a nossa praça e aproveitamos, já perguntar ao Sr. Presidente do município, quem será punido por esta morte?


Por: Fernando Raposo

Bhola vive debaixo de medo da perseguição dos seus anteriores colegas

Marínguè Guerrilheiros da Renamo desertam
O MAJOR Albertino Bhola, terceiro comandante do ex- Quartel-General da Renamo em Marínguè, província de Sofala , e o sargento Matias Briasse, abandonaram semana passada , as matas onde um grupo de antigos guerrilheiros do antigo movimento rebelde mantém o seu esconderijo, e entregaram-se as autoridades governamentais daquele distrito

Maputo, Terça-Feira, 12 de Abril de 2011:: Notícias

Eles explicaram que a deserção deve-se ao facto de estarem cansados de permanecer nas matas sem perspectivas de futuro e de reintegração social.
Albertino Nelo Bhota, nasceu há 51 anos no distrito de Chemba, em Sofala, e ingressou nas fileiras da então Resistência Nacional de Moçambique (RNM) em 1979 e veio a ser desmobilizado em 2002.


Contudo, nos últimos tempos continuou nas matas de Marínguè até ao seu abandono semana passada por aquilo que chamou de falta de cumprimento das promessas feitas por líder da Renamo, Afonso Dhlakama.

Falando em exclusivo ao “Notícias”, Bhola afirmou que na base da Renamo em Marínguè existiam até a sua saída 510 homens equipados com diversas armas pesadas e ligeiras de tipos B-21, bazookas, morteiros-60, AK-47 incluindo motores de moagem e viaturas, grupo geradores e rádios de comunicação.

Revelou também ter entregue às autoridades uma granada, sete obuses de “bazooka”, três de morteiro-60 e seis de morteiro-80, afirmando-se ainda disponível a indicar esconderijos de armamento localizados há 90 KM do antigo Quartel-General.

Deu também a conhecer que, mensalmente, recebia 4.500 meticais, enquanto o comandante do pelotão aufere um subsídio de 3.500, três mil para o alferes, dois para o chefe da secção e 1.500 meticais para soldado simples. No que se refere a alimentação e fardamento, soubemos que o abastecimento regular é feito a partir da cidade da Beira, sendo que o aludido efectivo militar também pratica actividades agrícolas na zona restrita a movimentação pública.

Informou também que dos três majores que existiam nas matas de Maríngue, apenas o comandante Jorge permanece no esconderijo, numa altura em que Jofrice Sindial acaba de ser transferido para Nampula.

Bhola que vive debaixo de medo da perseguição dos seus anteriores colegas da guerrilha, pretende mudar de residência de Gravata para Caia.

Horácio João “Notícias”

quarta-feira, 6 de abril de 2011

De Orfanato de Luabo para Maria Joaquim

Ai vai a mensagem em nome das criança.


Olá tia Maria.

Gratidão é uma sensação tão agradável...Cresce onde sementinhas são lançadas, floresce sob o sol. De um coração caloroso e bom, cresce mais quando é cuidada. Quase todos temos motivos para a gratidão, quando pessoas em nossas vidas têm tempo para partilhar e nos fazer saber por bons atos que nós estamos em seus pensamentos e que elas se importam. As coisas que você faz, com tanta compreensão e bondade, nos enchem de gratidão por termos o seu apoio e a sua amizade. Obrigada, por se importar connosco, isso ilumina o nosso viver no Orfanato.

Portal de Sena: obrigado Maria pelo apoio que tens dado as crianças de Luabo.

domingo, 3 de abril de 2011